Justiça em Foco

Lombardia e Vêneto exigem mais autonomia após referendo

Mais Notícias

Segunda-Feira, Dia 23 de Outubro de 2017

Duas das regiões mais ricas da Itália, Vêneto e a Lombardia, optaram nesse domingo (22) por reclamar mais autonomia ao Estado, depois de realizar referendos consultivos. Os governadores anteciparam que, para isso, vão iniciar negociações com o governo. 

Em Vêneto, com 86,5% dos votos apurados, 98,1% dos eleitores votaram a favor. No caso da Lombardia, com 60% dos votos apurados, 95,64% votaram a favor e 3,61% contra, com 0,75% de votos nulos.

Ainda que não tenha estabelecido um quórum, o governador lombardo, Roberto Maroni, tinha reconhecido que se formaria se superasse os 34% registrados na reforma constitucional de 2001. No entanto seus oponentes políticos já falam de fracasso ao não chegar aos 50%.

O presidente de Vêneto, Luca Zaia, que como Maroni pertence à xenófoba Liga Norte (LN), comemorou os resultados, considerando-os "um sucesso". Ele anunciou que nesta segunda-feira convocará seu gabinete para preparar o projeto antes de iniciar a negociação.

Zaia defendeu o modelo de uma Itália que avance para o federalismo e assegurou que exigirão de Roma 20 competências, bem como a retenção de 90% dos impostos.

O governador de Vêneto reconheceu que os sistemas de contagem de votos foram objeto de um ataque cibernético, o que explica o atraso na publicação dos resultados.

Maroni destacou o "compromisso importante" adquirido com essa votação: "Impulsionar o mandato histórico que milhões de lombardos me deram para ter uma autonomia verdadeira. Ir a Roma e pedir mais competências e recursos para a Lombardia", declarou.

O subsecretário do Governo para Assuntos Regionais, Gianclaudio Bressa, afirmou que o governo de Paolo Gentiloni "está preparado" para fazer tal negociação.

As duas regiões convocaram o referendo consultivo e não vinculativo, apoiados pela maioria das forças políticas regionais, para solicitar apoio e assim negociar com o governo maior autonomia, fato contemplado pela Constituição. Querem ganhar competências nas áreas de educação, meio ambiente, segurança e migração mas, sobretudo, de natureza fiscal.

Essas duas regiões, que somam 34% do Produto Interno Bruto (PIB) italiano, querem reduzir o déficit fiscal, a diferença entre o que contribuem para o Estado e o que ele "devolve". Estudos estimam esse montante em 54 bilhões de euros (US$ 63,607 bilhões), no caso da Lombardia, e em cerca de 18 bilhões de euros (US$ 21,202 bilhões), no de Vêneto.

O líder do partido ultradireitista, Matteo Salvini, destacou que, entre as duas regiões, "mais de 5 milhões de pessoas votaram pela mudança", destacando que trabalhará para que esse tipo de referendo seja feito em novas regiões do país.

Durante a comemoração da consulta e nos dias anteriores, os organizadores ressaltaram que nada têm a ver com o referendo da comunidade autônoma espanhola da Catalunha.

No enunciado do referendo na Lombardia, perguntou-se aos eleitores se desejam que o governo regional peça "condições particulares de autonomia" ao Estado, mas sempre "no quadro da unidade nacional".

"Não temos nada a ver com a Catalunha. Queremos autonomia, mais poder, mais competências e um federalismo fiscal, não a independência", disse após votar Zaia.

A consulta nessas duas regiões da industrializada Itália setentrional gerou críticas por causa do seu elevado custo e porque não era um requisito "sine qua non" para iniciar uma negociação com o governo central.

Há suspeitas de que as consultas também foram organizadas pensando nas eleições gerais e regionais da Lombardia, que ocorrerão no próximo ano.


Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com agências.
Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro


Mais Notícias


Indique a um amigo
Imprimir notícia 
Últimas Notícias

Outras Notícias Clique Aqui